Páginas

sábado, 30 de junho de 2012

Crônica: Eu não sabia que sabia dançar!

Sábado, 30/06/12. 


Eu não sabia que sabia dançar! 

Sempre fui uma pessoa muito tímida, introvertida. Um sem noção, na arte de namorar. Quando gostava de uma garotinha, ficava apenas rondando, e nada de coragem pra com ela falar. Lembro-me de uma vez que fui convidado por um amigo pra ir a um baile, e quando ele convidou uma menina e me apresentou sua amiga (da menina) ela então me chamou pra dançar; na hora sentir um frio na barriga, um medo danado, não sei nem onde arranjei coragem, mas dessa vez, decidir encarar meu carma e com ela fui “dançar”. Coitada da garota fez um esforço danado, tentou de todas as formas me fazer dá os primeiros passos, e, nada de eu lhe acompanhar. Foi um desastre, como tentar tirar leite de pedra, e nem uma lasquinha a faiscar. De tanto tentar, ambos acabamos desistindo, não preciso nem falar que a noite pra mim foi horrível, e daquele dia em diante, eu vivi a mercê do quase, um cheio de intenções, de vontades, mas na hora do vamos ver, faltava-me sempre a coragem de novamente os primeiros passos ensaiar. Sempre achei que dançar fosse muito difícil; afinal, porque é que todos conseguem e eu não consigo, se são apenas dois pra lá e dois pra cá? Muitas foram às vezes que fui ao baile, com o intuito de aprender a dançar. Mas quando lá, o medo voltava a me dominar. Lembro-me que não foram poucas às vezes em que eu fui aos bailes, com o objetivo de aprender a dançar, bebia a noite toda, ficava bêbado e cadê coragem de tirar uma menina pra dançar. Voltava pra casa resmungando, só lamentando, por mais uma vez sair sozinho, e ninguém descolar. Mas, assim como diz o velho ditado: “Deus tarda mais não falha!”, e quando menos se esperava, eis que eu aprendi a dançar. Lembro-me como se fora hoje, foi num show no Parque Cauboy, nos embalos de sábado à noite, que eu dei meus primeiros dois pra lá dois pra cá. Foi uma música da banda desejo de menina, época dos irmãos Leno e Leo e da Mirella Sales como vocalistas. Infelizmente não lembro exatamente da música, todas eram lindas, eu como fã, sou suspeito a falar. Ainda tinha a mastruz com leite, primeiro show da banda sem a Cátia Cilene como vocalista, pra minha infelicidade, uma vez que eu era também seu fã, sem esquecer o Victor e Leo, dupla que estava à época no auge. Estava se caminhando pra mais uma noite daquelas, eu cercado de mulheres bonitas, somente olhando, e bebendo, sem ficar com nenhuma delas. Até que meu irmão "dindo" a par da situação cochicha com a sua noiva "ed" ao pé do ouvido, e pede a ela pra me tirasse pra dançar, eu sei que era eu quem devia chamar, mas, o que fazer, se eu ainda não sabia dançar? A principio relutei um pouco, mas, de tanto ela insistir, e convenhamos, de tanto lá no fundo eu querer, decidir topar. No inicio eu estava um pouco duro, mas, conforme o tempo foi passando, a bebida foi me anestesiando, e eu comecei a me soltar. Fui ganhando confiança, essa é uma feliz experiência, ainda que eu viva mil anos, sempre vou com detalhes lembrar. Dancei a primeira, a segunda e a terceira, perdi as contas de quantas músicas com ela eu vim a dançar. Dancei até mais que seu noivo, mas esse aparentemente parecia não se importar, era notória a felicidade de todos, especialmente a minha, ao descobrir que sabia dançar. Hoje quando chego num baile, vou logo procurando alguém com quem eu possa bailar rodopiar pelo salão, se bombear não largo mais dela não, e fico com ela, até o baile acabar. Mas se não der, já me dou por satisfeito por ter sido minha parceira no forró eletrônico, pé de serra ou bate esteira, largo dela, e vou logo procurando outra parceira, pra dançar e, algo mais. Agora que não preciso mais encher a cara para me aproximar de uma garota, percebo a importância da dança para se socializar. Ela é fundamental não só para o condicionamento físico, mas também o emocional e o psico. Faz bem a alma, o coração, no convívio social com outras pessoas, e no relacionamento afetivo, uma vez que é na dança que tudo tem inicio, quando se desperta o interesse físico, a química, a atração, e, consequentemente a relação, ou não. Se existe uma coisa da qual tenha eu que lamentar acaso alguém viesse me perguntar, dentre tantas/ inúmeras coisas, certamente eu diria, não ter aprendido antes a dançar! Não sou nenhum Carlinhos de Jesus, mas, no meio do salão, hoje, danço mais que dois pra lá e dois pra cá. Se você não acredita, é fácil, é só aceitar quando eu lhe tirar pra dançar. E aí, vai encarar?Rsrsrsrs...

Adilson Adalberto

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário