Páginas

domingo, 12 de maio de 2013

Domingo, 12/05/13. 




Feliz Dia das Mães, minha heroína - dona Maria de Lourdes! 

Mãe, o teu amor é o maior de todos os presentes! Os laços que nos unem vêm desde a minha formação em seu ventre, onde fui criado, através do cordão umbilical alimentado, e depois de certo período de tempo pré-determinado, de lá fui expelido. Mesmo assim não me abandonaste, estivesses sempre comigo, em todos os momentos, quer nos períodos fáceis, quer nos momentos difíceis. Inúmeras foram às noites que passasses em claro comigo, eu chorando por causa de cólicas ou da saída de meus dentinhos, e você, cansada a altas horas da madrugada, cochilava comigo no colo, agarrava-me como um troféu conquistado, para que eu dos seus braços dormentes e cansados não caísse, segurava-me com todo carinho e afinco, paciência de Jó era óbvio e nítido. Finalmente os anos foram-se passando e os problemas comigo diminuindo, felizmente eu nunca fui um menino traquino, ao contrário, era muito tímido. Era o orgulho da senhora, aluno modelo na escola, me destacando dos demais em todos os sentidos, acho que por isso eu apanhava constantemente dos meninos, kkkkk; não era valente como à senhora, tinha vergonha, medo de tudo e de todos, era bastante introspectivo, alguns até me chamavam de frouxo, eu era sim um incompreendido, é que eu sentia falta do seu colinho, se pudesse como um pássaro voltava para o ninho, mas lamentava infelizmente isso não ser possível. Apesar de crescido, era muito bobinho, não entendia por que a gente crescia, e tinha que se virá sozinho, se eu pudesse voltava no tempo, e não saía dos seus braços, pra ganhar carinhos e muitos beijinhos, não que a senhora ainda não me desse, mas é que a gente cresce e aqui pra nós, fica no mínimo meio que esquisito; um marmanjo velho, nos teus braços pedindo afagos, como um bebezinho. Adoro seus mimos, um cafuné na cabeça, sentar no seu colo, embora hoje seja difícil, devido ao meu tamanho e o excesso de quilos, todos dizem que sou mimado, mas eu não ligo se pensam que me ofendem isso até é elogio. Pra mim todos tem inveja por que suas mães não são um terço do que a senhora é comigo, sei que não sou perfeito, que às vezes eu erro, vacilo, digo coisas que não faço, faço coisas que não digo, mas logo caio em mim, e peço perdão a Deus e a senhora com jeitinho, digo que nunca mais faço ou falo, mas não tem jeito, logo minhas promessas caem no mar do esquecimento, e quando me dou conta, cá estou eu nadando contra a maré, indo contra o abismo, mas tu como sempre zelosa e vigilante, vem ao meu encontro, orando, torcendo e intercedendo por mim, se ainda não sabes, quero que saibas que tenho muito orgulho de ti: estás sempre pronta pra ajudar, aconselhar, estendendo as mãos sempre que eu precisar e pedir, aliás, nem precisa pedir, basta você notar, seus olhos e coração de mãe sentir, é um instinto maternal que vem de ti, que só quem também é mãe sabe compreender, incrível, a gente nem precisa dizer, parece que Deus tira a venda dos olhos das mães, sopra em seus ouvidos, só existe essa explicação, pra tamanha percepção; em suma, ser mãe é também ter sexto sentido. Ainda que eu viva mil anos nunca que me esquecerei disso: das noites em claro que ficasses comigo, das idas ao médico quando eu estava doentinho, dos remédios que tu me davas, dos comprimidos que me fazias engolir mesmo quando eu relutava das pomadas que passavas em minhas perebas, dos mertiolates nos meus braços e pernas para cicatrizar os hematomas das minhas constantes quedas, das reuniões de pais que você ia à escola só pra ouvir dos professores desse filho que vos fala somente elogios; das brigas e discussões que você involuntariamente se metia com os vizinhos só pra proteger, defender seu filhinho; não é a toa que uma mãe dá a vida por seu filho, já cansei de ouvir isso, e não tenho dúvidas de que serias capaz de morrer por mim e por todos os demais filhos! Amor de mãe é assim: exagerado, extravasado, infinito, ilimitado, incondicional, perpetuo, sem fim! Quisera eu que todas as mães fossem assim, a ideia era essa quando Deus criou a mulher; um ser dotado de tamanha capacidade de amar, que por amor de seu filho a própria vida pudesse entregar! Abnegada, dedicada, aplicada, corajosa, zelosa pela família e lar, com braços gigantescos, elásticos que a todos quanto ela ama pudesse proteger e guardar, embora aos olhos humanos seja difícil de comportar. Só sei que mãe semelhante ou igual a essa em nenhum outro lugar eu irei encontrar, se eu pudesse falar com Deus sem dúvidas pediria, dir-lhe-ia muitas coisas, mas a principio eu iria aos seus pés me prostrar, pedir perdão mais uma vez por tudo que eu já disse e já fiz, pelas inúmeras vezes que mesmo sem querer já te magoei, te fiz sofrer, com palavras duras que nem mesmo eu consigo esquecer e entender, é que sou humano demais pra compreender que se erra mesmo tentando acertar, que se magoa e se ofende mesmo quando o amor se faz presente, que por excesso de zelo, a gente diz coisas absurdas, nos momentos de fúria, que sangra, fere simplesmente por não saber dizer “Stop”, não pensar. Mas também iria lhe agradecer pela mãe maravilhosa com a qual Ele veio a me presentear! Se eu fosse te classificar, adjetivos é que não iriam faltar: mãe, mulher, dona de casa, chefe de família, amiga, conselheira, companheira, brava, guerreira, séria, distinta, menina, divertida, às vezes ranzinza, festeira, protetora, possessiva, verdadeira, única, decisiva, fala o que dar na telha, não tem papas na língua, mal de família, kkk; coração mole e gigantesco, abnegada, desapegada, autodidata, espirituosa, mas também muito sofrida, corajosa, não tem medo de nada: da correria diária, da lida, da vida; é uma atleta, mesmo sem nunca ter ido a uma olimpíada, merecia até uma medalha, e de ouro, sem dúvidas. Não, ela não é esportista, bem que eu gostaria, mas é que na maratona da vida, duvido que alguém lhe alcance na corrida! Em suma, se eu tivesse que te definir em uma só palavra, eu diria: mãe, você é “espetacular”! Obrigado por você existir, pela vida que me deste, por me carregar nove meses em seu ventre, por me proteger, me educar, e por me amar, sei que não tem sido fácil, sei que sou demasiadamente chato, sou obrigado a confessar, já te disse isso infinitas vezes, mas não custa nada reforçar: tudo o que sou hoje, e tudo que eventualmente no decorrer da vida eu venha a conquistar, eu devo a você, sem você nada, nenhum de meus sonhos seriam possíveis de se realizar! Em minhas orações, rogo a Deus todos os dias que você possa viver entre nós mãezinha, por muitos e muitos anos, para poder comemorar junto à família e filhos - eu ( Dandan) e meus irmãos (Lú, Dindo e Zazá), infinitos dias iguais a estes, e não esquece, o dia é teu, mas o presente é meu, digo, é nosso! Kkkkk. Beijos! Amamos-te pra sempre! 
Do seu eternamente filhinho,

Adilson A. da Silva
Reações:

2 comentários:

  1. Belissima homenagem amigo, se nós nos emocionamos lendo imagino vc escrevendo Parabéns a sua mãe pela guerreira que é! Abraçoss

    ResponderExcluir