Páginas

terça-feira, 9 de julho de 2013

Poesia: Há tempos...

Terça-Feira, 09/07/13
Há tempos... 

Há tempos que eu vivo sem tempo pra dizer o que sinto verdadeiramente por ti.
Há tempos que eu busco a porta por onde entrar, mas só encontro a de saí, há tempos que eu busco palavras, mas só encontro o silêncio. Há tempos que eu tento; juro que eu tento, mas é que não sei fingir. O meu coração parece o deserto do Saara, as minhas lágrimas secaram, dos meus olhos não cai nenhuma misera gota que seja.
A minha boca continua amarga, seca, o meu pescoço de tão sufocado parece até que estar numa forca. Meus pés e mãos de tão dormentes chegam a ter câimbras, a minha língua continua pesada, ardendo em brasas, mas ainda estar presa. Timidamente dou os meus primeiros passos, mas logo me perco no caminho, me sinto como um maior abandonado, caminhando sobre labaredas e espinhos, perdido no tempo e espaço, sozinho, como um peixe sem mar, um pássaro sem ninho. Assim sou eu sem você, sem amor, prazer, proteção e carinho! O tempo, esse ser nefasto, se encarregou de colocar cada um em um caminho, tenho esperança que mais adiante nessa jornada, nossas vidas deem um giro de 360 graus, uma guinada, e possamos terminar nossos tempos de vida juntinhos? Vou ficar na torcida por isso!  

Adilson A. da Silva
http://adilsonconectado.blogspot.com/  
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário