Páginas

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Poema: Amor sem fim!

Segunda - Feira, 17/02/14 


Beijar tua boca é tudo que eu preciso,
Solidão em meu quarto é o meu pior castigo,
O pensamento em você, e eu em cárcere privado.
Na cama meu corpo todo suado,
Os batimentos cardíacos batendo fortes e acelerados,
Ainda acordado, rolando de um lado pro outro, como um desesperado,
Já posso ouvir até o cantar dos galos,
Os guardas inté já se mandaram,
E os primeiros raios de sol, anunciando um novo dia, logo darão o ar de sua graça;
Madrugada, que lástima,
Só essa tristeza que não passa,
Culpa sua, quem manda me deixar assim, tão... Excitado... Tarado.
Seu cheiro inda em meus lençóis estão impregnados,
Lembrança de nós dois, fazendo amor em tempos passados.
Não lembro qual a razão, nem o motivo que nos fez estar separados,
Só sei que te amo, e pra sempre quero estar do seu lado,
Dormir e acordar com você bem abraçados,
Levar café na cama,
Dá-te um beijo de bom dia, dizendo que te amo,
E ir correndo pro trabalho,
Contar os minutos e as horas, pra voltar voando pra casa e ficar do seu lado,
Mandar mil torpedos pro seu celular, dizendo-me apaixonado,
Passar ainda numa floricultura e comprar um buquê de flores,
Escrever num cartão uma linda mensagem,
Fazer um jantarzinho romântico, regado a um bom cálice de vinho do porto,
Ficar coladinho contigo rosto a rosto,
Num dois pra lá, dois pra cá.
Nem aí pro tempo passar,
Pode inté o mundo acabar,
Desde que a gente vá de mãos dadas, pro lado de lá.  
Ficar juntos pra sempre, era o sonho da gente...
inté fizemos um pacto de sangue ainda adolescentes, debaixo dum pé de trapiá...
O tempo passou e eu ainda não sei o que mudou, nem o que te fez tão de repente mudar,
Só sei que o meu amor por ti continua do mesmo jeito, intenso, intacto...
Independente do tempo – presente ou passado,
E o futuro? Só a Deus pertence! Só Ele é quem sabe!
Triste é a dor da saudade!
Dilacera, corta-me ao meio como se fora uma serra elétrica,
Sangra-me o peito, forma-se uma enorme ferida dentro dele,
Daí eu choro, mas eu creio... 
Que inda vamos estar juntos como antes,
Amando-nos como poucos, como loucos ensandecidos,
Completamente apaixonados, a dois passos do paraíso!



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário