Páginas

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Soneto: A vida pode ser um eterno jardim de infância


Sábado: 17/10/15


A vida pode ser um eterno jardim de infância
Não deixamos de ser criança...
Quando passamos á fase adulta
Nela também há muitas dúvidas.

Dançamos conforme a música,
Mas, não tomamos mais, tantos banhos de chuva,
Como nos tempos de outrora,
Também não jogamos mais bola, num campo de areia...

Nem brincamos com pião, carrinho de rolimã e bolas de gude
Tampouco soltamos pipa e, atiramos de baleeira
Ou confeccionamos bonecos de barros, retirados na ladeira.

Lá, na casa de número 09 – antiga residência de minha família,
Na Rua João Feliciano de Luna – beira da linha,
Vivi sem sombra de dúvidas, os melhores anos de minha vida.
                                                                                                      http://adilsonconectado.blogspot.com/


Reações:

Um comentário:

  1. Parabéns meu amigo escritor! Lindo seu soneto. Sucesso para ti! abraço grande!

    ResponderExcluir